PRECISO DE AJUDA!

Tenho de apresentar amanhã um poema de um poeta para português. Já está feito mas não percebo nada de poetas nem de poemas. Se alguém souber analisar poemas, ajude-me! Neste que escolhi tipo não encontro as figuras de estilo etc. Digam-me a mensagem que o poema vos transmite, era bem mais fácil! É só isso que me falta! Obrigadíssima! Queridas/os, respondo aos vossos comentários quando tiver tempo, sim? Tenho amanhã duas apresentações (Português e Francês) e um teste. Sexta feira tenho teste de Filosofia. Desculpem! Eu adoro-vos e um grande obrigada*


As mãos

Com mãos se faz a paz se faz a guerra.

Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema – e são de terra.
Com mãos se faz a guerra – e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.

Não são de pedras estas casas mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no Tempo como farpas

as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor cada cidade.

Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.


Manuel Alegre

8 comentários:

  1. bem, tens bastantes antiteses: paz/guerra; faz/desfaz. tens comparação: '' e cravam-se no tempo como farpas''. se não me engano hipérboles: ''mãos se faz a guerra'', ''mãos se rasga o mar''
    na minha opinião acho que o autor tenta passara a ideia que as mãos são poderosas. que fazem isto e acontecem aquilo, mas obviamente as mãos não agem sozinhas, as mãos agem por nós, são nossas, nós mandamos, são um meio para atingir os nossos objectivos. mas mão que dá, também é mão que tira, portanto a mão tanto faz bem como faz mal. vai depender de quem são as maos. : )

    ResponderEliminar
  2. A intrepertação que tirei deste poema foi: naquele verso das casas que não são de pedra, são de mãos, acho que o poeta está a dizer para não valorizarmos só o " material", porque quem colocou lá as pedras, foram as mãos, quem acabou com a guerra (de forma passiva ou não), não foram as armas, foram as mãos que as seguravam. O ultimo verso diz que cada consequencia que nós sofremos, é tudo reflexo dos nossos actos. Não sei se ajudou, mas eu tentei ;)

    ResponderEliminar
  3. Ups gostava muito de te ajudar mas não sou propriamente a melhor pessoa para analisar poemas(não percebo nada).
    Mas se te ajuda para mim este poema diz-me que com as nossas mãos nós podemos mudar o mundo, que podemos ajudar apenas com as mãos, como por exemplo dar carinho a um conhecido que esteja triste..

    Pode não ter nada a ver mas disse o que pensava :/

    bjo

    ResponderEliminar
  4. Olá! Não sei se a minha ajuda te vai ser útil, mas a mim este poema diz-me que o Homem não é Homem sem as mãos. Se não as tivermos, nada podemos fazer. A mim parece-me que Manuel Alegre mostra a vantagem de ter mãos e a desvantagem (quando fala na guerra). No primeiro verso há uma antítese entre paz e guerra, bem como na 2ª estrofe. De resto, todo ele parece-me recheado de metáforas.
    Espero ter ajudado! beijinho!

    ResponderEliminar
  5. Ja me esqueci disto tudo :x nao ter portugues ha 4 anos é assim.

    http://fashionaddicted.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  6. eu tinha comentado este texto mas secalhar não ficou guardado recebeste?

    ResponderEliminar

obrigada! volta sempre. cheers*